As atividades teóricas e práticas foram realizadas no Auditório Luigi Faroldi, no Hospital São Rafael. Foto: Divulgação Ascom – HSR

 

Angiologistas de diversas partes do Brasil estiveram no Hospital São Rafael, em Salvador, no último final de semana (de 19 a 21/10), onde participaram do 20º Curso de Escleroterapia com Espuma, realizado por meio de uma parceria entre o Monte Tabor, o Instituto Ruettimann, a Prefeitura de Salvador e o Hospital São Rafael (HSR).

Além do angiologista do HSR, Marcelo Liberatto, difusor da técnica no Brasil e facilitador do curso, esta edição contou com a participação de um dos maiores especialistas da área, o médico e professor italiano Attilio Cavezzi. Durante os três dias de curso, iniciado na sexta-feira (19), os profissionais participaram de atividades teóricas e práticas sobre a técnica, que evita anestesia, cortes e internamento no tratamento de varizes, problema que atinge mais de cinco milhões de brasileiros. Além disso, os cuidados com as feridas e as técnicas de compressão para úlceras venosas também fizeram parte da abordagem realizada pelos palestrantes.

De acordo com Marcelo Liberato, o procedimento visa garantir o acesso à população de baixo poder aquisitivo a um tratamento “mini-invasivo”, seguro, rápido e realizado em ambiente ambulatorial. “Tão eficaz quanto a cirurgia convencional, o procedimento diferencia-se por tratar as varizes e úlceras (feridas) varicosas, sem necessidade de anestesia, cortes ou internamento. O nosso programa municipal já beneficiou aproximadamente cinco mil soteropolitanos”, destacou.

 

Dr. Marcelo Liberatto, difusor da técnica no Brasil e facilitador do curso, ao lado de um dos maiores especialistas da área, o médico e professor italiano Attilio Cavezzi. Foto: Divulgação Ascom – HSR

 

Como funciona
A espuma de polidocanol (esclerosante) é injetada na veia varicosa, fechando-a e desviando o sangue para as veias normais, de maneira que seja restabelecida a plena circulação nos membros inferiores. “O paciente chega ao ambulatório, recebe a sessão de espuma e sai andando com o curativo e a meia de compressão elástica. Seguramente, esta técnica é uma esperança para diminuir as longas filas de espera para o tratamento das varizes e úlceras venosas e, com isso, o sofrimento de quem as carrega consigo”, explicou Marcelo Liberato.

Acesso ao Serviço
Durante o projeto de pesquisa e trabalhos voluntários, centenas de pacientes receberam o tratamento gratuitamente no Hospital São Rafael. Os resultados foram tão satisfatórios que renderam o convênio com o município, garantindo atendimento aos doentes graves. Os pacientes tratados têm entre 18 e 94 anos de idade. Muitos estavam encostados pelo INSS ou haviam se aposentado por invalidez, antes de terem acesso ao tratamento.

O critério utilizado para o atendimento é a gravidade da situação. Para fazer essa triagem, foram treinados mais de 250 profissionais da área de saúde, locados em 110 postos de saúde espalhados por Salvador. Enfermeiros e técnicos realizam a primeira seleção, em seguida um médico angiologista também avalia a situação antes de direcionar o paciente ao tratamento.