Central de Marcação: (71) 3409-8000
Cuidado redobrado no verão

Cuidado redobrado no verão

Foto: Divulgação

 

Não é à toa que o Dezembro é Laranja. Com a chegada do verão é momento também de iniciarmos a nossa luta contra o câncer de pele. O Instituto Nacional do Câncer (INCA) registra, a cada ano, 180 mil novos casos de câncer de pele, que respondem por 30% de todos os diagnósticos de câncer no Brasil.

A radiação ultravioleta é a principal responsável pelo desenvolvimento de tumores de pele e a exposição excessiva ao sol é a principal causa da doença. Portanto, nesse verão, não deixe de se prevenir e siga as orientações da Sociedade Brasileira de Dermatologia:

  • Evite a exposição solar e permaneça na sombra entre 10 e 16h (horário de verão), período que a radiação é mais intensa.
  • Use filtros solares, diariamente, que protejam contra radiação UVA e UVB e tenham um fator de proteção solar  (FPS) 30, no mínimo, e não somente em horários de lazer ou diversão. Reaplique o produto a cada duas horas ou menos quando estiver em atividades de exposição ao ar livre e, no dia-a-dia, aplique uma boa quantidade pela manhã e reaplique antes de sair para o almoço.
  • Use vestimentas (camisetas, bonés e chapéus) de tecidos com filtros para radiação UV (ultravioleta).
  • Na praia ou na piscina, use barracas feitas de algodão ou lona, que absorvem 50% da radiação ultravioleta, pois as barracas de nylon formam uma barreira pouco confiável, barrando apenas 5% dos raios UV.
  • Observe regularmente a própria pele e fique atento aos sinais/pintas ou manchas, principalmente se: mudam de cor, têm mancha com várias cores, aumentam o tamanho, sangram espontaneamente, possuem contorno irregular (não é redondo).
  • Aos que têm filhos: mantenham bebês e crianças protegidos do sol, salvo orientação do pediatra. Filtros solares podem ser usados a partir dos seis meses.
O câncer de mama e o diagnóstico precoce

O câncer de mama e o diagnóstico precoce

Foto: Banco de Imagens | Ascom HSR

O Câncer de Mama é o segundo tipo mais frequente no mundo. No Brasil, é a segunda maior causa de morte entre as brasileiras, especialmente porque, muitas vezes, a doença só é diagnosticada em estágios avançados. Mas, se detectado em fases iniciais, em grande parte dos casos, aumentam as chances de tratamento e cura. Por isso, é importante estar atento a qualquer alteração suspeita na mama e fazer anualmente, conforme indicação médica, a mamografia. Além disso, realizar o autoexame também ajuda a identificar se algo não vai bem. Uma forma simples e rápida de se fazer o autoexame é em frente ao espelho: coloque as mãos na cintura e depois na cabeça. Observe o formato, tamanho e contorno das mamas (se estão iguais, simétricas). Veja se existem pregas, depressões ou alterações na pele da mama, aréola e mamilo. Existem outros sinais e sintomas que podem indicar também a doença e não devem ser desconsiderados, são eles: alterações no formato da mama, vermelhidão, calor ou dor na pele da mama, aspecto da pele de casca de laranja, feridas ou crosta no mamilo, inversão do mamilo, liberação de secreção ou sangue pelo mamilo, inchaço e nódulos na axila. Portanto, não deixe de realizar o autoexame uma vez por mês, se ainda menstruar, esse exame deve ser feito após a menstruação. Fique atento a qualquer tipo de mudança e fale com seu médico, imediatamente, frente a qualquer alteração.

Os benefícios da fisioterapia para os pacientes em hemodiálise

Os benefícios da fisioterapia para os pacientes em hemodiálise

A fisioterapia durante as sessões de diálise contribui com prevenção de lesões - Foto: Divulgação | Ascom - HSR

A fisioterapia durante as sessões de diálise contribui com prevenção de lesões – Foto: Divulgação | Ascom – HSR

Melhorar a qualidade de vida dos pacientes é o objetivo principal de um programa pioneiro desenvolvido no Hospital São Rafael (HSR), a fisioterapia durante as sessões de hemodiálise. A atividade, iniciada em 2012, surgiu a partir de um projeto de pesquisa desenvolvido como trabalho de conclusão de curso das estudantes de Fisoterapia da Universidade Católica do Salvador, Fernanda Agnys e Clarissa Rios, ambas estagiárias do HSR.

A fisioterapia durante as sessões de hemodiálise tem como proposta colocar em prática um programa de alongamentos e exercícios resistidos, durante o tratamento hemodialítico, quando o movimento torna-se mais difícil, contribuindo, desta forma, com o sedentarismo. Além da atividade prática, o paciente recebe orientações de exercícios e atitudes que devem adotar para ajudar e acelerar seu tratamento.

A falta de exercícios e alongamentos está relacionada com encurtamentos musculares, que muitas vezes geram dores na região dos ombros, na coluna cervical, na coluna lombar, nas pernas e em várias outras partes do corpo. É importante que as pessoas, sedentárias ou não, realizem pausas no decorrer do dia para realizar alongamentos musculares. Essa prática é fundamental para evitar diversas doenças musculares e articulares, e para a melhora da qualidade de vida.

Os alongamentos são exercícios que contribuem para melhorar a flexibilidade corporal, por promover estiramentos das fibras musculares que resultam no aumento do comprimento muscular. A fisioterapia com os alongamentos, durante as sessões de diálise, pode contribuir com a prevenção de lesões musculares, melhora da consciência corporal, diminuição do estresse e das tensões musculares obtidas no decorrer do dia, sensação de bem-estar, melhora da circulação sanguínea, auxílio no bom alinhamento postural e até no preparo do organismo para realizar outros tipos de atividades físicas.

Estes exercícios devem ser feitos de forma lenta e cautelosa, haja vista que um alongamento inadequado pode resultar em lesões. Durante o exercício, devem ser realizadas respirações lentas e profundas para auxiliar no relaxamento e melhor oxigenação dos tecidos. Também é necessário respeitar o limite do estiramento ou tensão para evitar danos ao músculo. Ademais, é fundamental respeitar a duração de cada procedimento, em média, cada alongamento deve ser mantido por cerca de 20 a 40 segundos. Para mais informações sobre como realizar alongamentos, fale com seu fisioterapeuta durante seu atendimento.

Deixar de fumar traz benefícios quase que imediatos à sua saúde

Deixar de fumar traz benefícios quase que imediatos à sua saúde

Nesta semana, no dia 29 de agosto, foi celebrado o Dia Nacional de Combate ao Fumo. Esta data foi instituída com o objetivo de reforçar em todo o país de sensibilização e mobilização da população para os danos causados pelo tabaco. E o HSR não ficou de fora! No dia comemorativo, a instituição compartilhou com seus seguidores, no instagram stories, um card com dados estatísticos de doenças provocadas pelo fumo, como câncer em pulmão, de boca, doenças no coração e infarto. O tabagismo gera danos a curto e longo prazo, podendo gerar mais de 50 doenças, tais como: respiratórias, cardiovasculares, ansiedade e alterações comportamentais. O fumo também pode trazer irritação nos olhos e nariz, dor de cabeça, alergias, dores no peito, aumento da pressão arterial, transtornos de memória e do sono, doenças do sistema imunológico, déficit de atenção, perda na audição, dentre outras.
Mas, o foco, hoje, é compartilhar também algo que a maior parte da população ainda não sabe: para quem quer parar de fumar, os benefícios que a suspensão do cigarro e outros derivados do tabaco podem trazer à saúde são animadores. “Os efeitos podem ser percebidos 20 minutos após o indivíduo parar de fumar, tempo necessário para que a pressão sanguínea e a pulsação voltem ao seu estado normal”, aponta o pneumologista do HSR, Guilherme Montal. Confira abaixo mais informações sobre os benefícios à saúde, após a suspensão do fumo, compartilhadas pelo pneumologista.

– Após duas horas, não há mais nicotina circulando no sangue.
– Em oito horas, o nível de oxigênio no sangue se normaliza.
– De 12 a 24 horas, após a suspenção do hábito de fumar, os pulmões já começam a funcionar melhor.
– A tendência é que, após dois dias, o olfato e o paladar melhorem e, após três semanas, a pessoa já note melhoras também na respiração e na circulação.
– Após um ano sem fumar, o risco de morte, por infarto do miocárdio, reduz pela metade e, após cinco ou 10 anos, o risco de sofrer infarto é igual ao das pessoas que nunca fumaram.

O que fazer para melhorar a minha imunidade?

O que fazer para melhorar a minha imunidade?

Essa é uma pergunta frequente no consultório médico, quando o paciente apresenta alguma doença infecciosa. Existem várias formas que o organismo utiliza para se defender das doenças, e a vacinação desempenha papel importante nessa defesa, pois ela é uma das formas mais eficazes de se proteger de algumas doenças, as quais chamamos de imunopreveníveis (tetáno, hepatite b, HPV, Caxumba, Varicela etc).

Portanto, para aumentar a resistência do organismo e diminuir as chances de adoecer, é importante seguir algumas recomendações. Confira abaixo algumas dicas:

  • Mantenha seu cartão de vacina atualizado, levando-o sempre para consulta médica, pois pacientes portadores de algumas patologias podem necessitar de vacinas especiais, além das pertencentes ao calendário básico.
  • Evite locais de aglomerações.
  • Mantenha-se bem hidratado. No geral, é recomendado que sejam ingeridos pelo menos 2 litros de água diários.
  • Busque uma alimentação saudável, rica em frutas e legumes. A OMS (Organização Mundial de Saúde) recomenda a ingesta de pelo menos 400 gramas diárias de frutas e legumes.
  • Evite longos períodos de privação de sono.
  • Reserve um tempo da sua rotina diária para exercitar-se, pelo menos 3 vezes na semana.
  • Você pode também contar com os cuidados da Saúde Trabalhador, que possui uma sala de vacina e uma equipe multidisciplinar pronta para lhe orientar.

 

Você é portador de rinite alérgica?

Você é portador de rinite alérgica?

http://www.dreamstime.com/stock-images-flu-business-woman-sneezing-working-office-businesswoman-having-image56837824

Se você apresenta espirros, coriza, lacrimejamento, coceira no nariz, na garganta, nos olhos ou tosse frequente ou está constantemente com o nariz congestionado, você pode ser um portador de rinite alérgica.

Para as pessoas com rinite alérgica, situações simples como receber flores, fazer uma faxina em casa, encontrar alguém perfumado, pode se tornar um transtorno. Isso porque essas pessoas apresentam respostas exageradas da mucosa nasal quando entram em contato com algumas partículas, são as chamadas reações alérgicas. As principais partículas desencadeadoras desses sintomas são: a poeira doméstica, pelos de animas (cão, gato, hamster), pólens de flores (grãos minúsculos) e fumaça de cigarro.

A rinite alérgica não é uma doença grave, mas interfere na qualidade de vida e frequentemente está associada à asma, otites, sinusites, respiração oral, gerando problemas dentários e alterações do sono.

Portanto, se você apresenta esses sintomas busque um otorrino para fazer uma avaliação. Mantenha sua casa ventilada, evite bichos de pelúcia, tapetes, cortinas e almofadas, mantenha os animais na parte externa da casa, passe o pano úmido na casa e nos móveis, ao invés de varrer, e faça, diariamente, a higiene do nariz, lavando com soro fisiológico.